domingo, 12 de agosto de 2012

Tudo pode acontecer...

UM PONTO... Era apenas um pequeno Ponto solitário, um símbolo final, uma conclusão. A base sobre a qual se ergue uma exclamação (!), uma interrogação (?). Da família das reticências (...) vivia afastado de seus iguais. Uma força diferencial o moveu ou seria mera curiosidade? Aproximou-se das reticências e num momento de pura magia compreendeu que jamais estaria sozinho novamente... Transformou-se em uma Linha. Explorou a nova realidade, anteviu o infinito... Estremeceu e mudou para uma Linha Ondulada, uma Linha Curva. De pura alegria saltou no espaço e virou uma Circunferência. Ainda mantinha sua personalidade, um simples Ponto fazendo parte de uma figura geométrica entre trilhões de Pontos semelhantes. Notou que no extremo do circulo outro Ponto chamava a sua atenção. Era seu Ponto gêmeo, seu complemento, seu par. Sabia por intuição que uma Linha Reta era a menor distancia entre dois Pontos, se lançou no espaço e de Raio a Diâmetro se fez a união. Pediu privacidade, queria constituir família... Criou um Segmento Áureo, após muito atrito virou um Cone. Foi um casamento feliz até o momento em que conheceu uma Bissetriz. Ah essas Bissetrizes! Apaixonou-se perdidamente e formaram um Triângulo Retângulo. A realidade virou um pandemônio, a prole aumentou, sua filha Hipotenusa o presenteou com dois netos gêmeos, o Cateto Oposto e o Cateto Adjacente. Cada neto com seus próprios descendentes, Ângulos, Senos, Cossenos, Tangentes, Cotangentes e todos com seus muitos problemas particulares, alguns Agudos outros Obtusos. De Triângulo Retângulo passou a Isósceles, depois a Escaleno. Experimentou novas formas de acasalamento e se descobriu um Quadrado... Caiu na gandaia e conviveu com Pentágonos, Hexágonos, Octógonos, Decágonos... Adeus sossego! Antigamente era feliz e não sabia. Agora conhecia a forma de todos os objetos, era a parte básica da criação gráfica. Sem o Ponto e seus descendentes nada era idealizado e tudo dependia da criatividade e imaginação do Homem... Do Homem? Que era um Homem? Um agrupamento de átomos! Que era um átomo? Um Ponto com vida. Nesse momento o Ponto previu a eternidade, entendeu o verdadeiro significado do sonho de Ícaro... Desvendar o desconhecido, aparar arestas, buscar o espaço-tempo, evoluir. O que foi criado viverá para sempre... O pequeno Ponto sabe que existe... Aguardamos! Dentro da eternidade tudo é possível e tudo é relativo... Tudo pode acontecer! Gastão Ferreira/2012

Um comentário:

MARCOS disse...

Cara, tu estas ficando muito bom.
Comecei has 22hs e estou lendo ate agora (01:25hs).
Espero que continues melhorando sempre.
Abçs. Marcos Vinicius