segunda-feira, 4 de junho de 2012

Pirulito que bate-bate...


TIA VERÔNICA...


         “Pirulito que bate-bate, pirulito que já bateu. Quem gosta de mim é ele, quem gosta dele sou eu...”, tia Verônica passa horas cantando essa musiqueta. Por favor! Mantenha o segredo familiar, ela enlouqueceu por amor.
         Tia Vevê nasceu de uma ligação espúria de vovô Bodinho com a menina Jocasta, filha de dona Branca, neta de escravos e lavadeira por profissão e gosto. Meu avô o famoso Coronel José Brandino de Alencar Siqueira Júnior, era um homem honrado, bom, religioso, senhor de muitas terras e dono de muita gente, apelidado, de boca pequena Coroné Bodinho, devido à mania de perseguir todo o rabo de saia que passasse em sua frente.
Tia Verônica não era a única filha bastarda, era a única criada na casa grande, o saco de pancada onde vovó Inocência descontava as puladas de cercas do vovô. Infeliz tia Vevê! Era belíssima. Tia Chistiana morria de ciúmes, filha legitima de vovô e vovó, puxara a raça portuguesa de vovó, mal chegada à puberdade, um belo bigode e alguns fios de barba apareceram em sua face redonda, cabelos escuros, estatura meã, ou seja, baixinha.
Tia Verônica era loira, olhos azuis, alta, magra. Foi educada com os mesmos mestres dos outros filhos do coronel, muito inteligente, gostava de ler. Naquela época as moças e mocinhas só podiam ler romance água com açúcar e livros de poesias eróticas. Os excessos de leitura, dizem que leu durante sua vida uns oito livros, a tornaram uma pessoa diferenciada.
Durante uma Festa de Agosto, a família do Coronel Brandino de Aguiar recepcionou muitas caravanas de cavalarianos que passavam por suas terras. Verônica conheceu Marcelo, se apaixonou, no que também foi correspondida. Apesar de tanta leitura era bem bobinha e Marcelo muito espertinho ensinou a garota o pirulito que bate-bate. Ela adorou e chegaram a bater os pirulitos umas cinco vezes ao dia. Tia Chris descobriu as brincadeiras eróticas e achou de veras fortes o pirulito de Marcelo, resultado! Casamento.
Sim! Christiana chantageou Marcelo. A fama de matador de coronel Brandino corria mundo... Ah se ele desconfiasse do que o cabra safado aprontou para sua bela filha. Ensinar na prática o pirulito que bate-bate para uma donzela! Caso para ser capado na hora. Marcelo pediu Chistiana em casamento, o pedido foi feito durante o jantar frente a dezenas de pessoas... Tia Verônica não sabia da armação de sua irmã Christiana e Marcelo também nada falou, apesar de terem batido pirulitos pela manhã.
Quando tia Christina foi abraçar tia Verônica, tia Verô endoidou de vez. Com olhos cheios de lágrimas começou tristemente a cantar... ”Pirulito que bate-bate... Pirulito que já bateu... Quem gosta de mim é ele... Quem gosta dele sou eu...”, ninguém entendeu o recado, ninguém do restante da família, os noivos entenderam muito bem. Tão bem que desde tal ocorrência, toda a vez que chega uma visita, tia Verônica é escondida na senzala, sua mãe Jocasta filha de escravos, cuida dela e sempre que pode vovó Inocência vai tirar uma casquinha da infeliz que enlouqueceu por amor.

Gastão Ferreira/2012


Nenhum comentário: