sexta-feira, 25 de maio de 2012

Pura ficção...


VOTOU ERRADO...        


         Da última vez em que morri foi num sonho. Nenhum anjo veio me recepcionar, ao contrario, dei de cara com um auxiliar do capeta, que aos gritos indicou uma fila quilométrica sem dar tempo para reclamações. Entramos pela Caverna do Ódio e fomos descendo em direção ao magma terrestre... O calor era insuportável, muito choro e ranger de dentes. Recebi um cartão numerado onde constava meu nome e o motivo pelo qual mereci a danação eterna. O recinto era imenso e todos aguardavam a condução direta e sem escala para o inferno.
         Pelo autofalante anunciaram numa voz pausada; - “Alo!... Atenção! A próxima condução chegará com atraso. Todos estão liberados a desfrutarem de nossa hospedagem... Circulem, por favor!”
         Sentado em um banquinho dei de cara com o meu amigo Zéca Gado, estava ali por engano explicou. Seu pecado, dizem as más línguas foi cuidar da vida alheia, fazer fofocas, cuspir nas pessoas e falar mal da vizinhança. Tudo mentira! Uma falsidade desta gentalha sem eiras nem beiras que não tem o que comer.
         Um jovem, muito bem apessoado, contava a um grupo de meninos do mal que fora injustiçado... Criara uma ongue com a finalidade de dar suporte à juventude transviada pelas drogas e prostituição infantil. Devido a uma injúria, uma aleivosia, uma mentira deslavada e com fins eleitoreiros inventaram um romance inexistente entre ele e uma meia irmã... Estava pagando o preço por defender os desvalidos da sorte, esperava entrar com uma ação contra Deus e ganhar a causa.
         Uma senhora tentava explicar aos prantos que fora ludibriada por um bando de aproveitadores; - “Logo eu! Mãos Limpas. Uma alma caridosa, que sempre tratei o próximo como alguém da família, igual a um cunhado, igual a um irmão ou irmã... Uma pessoa que jamais conheceu a palavra vingança, a palavra perseguição... Agora estou aqui neste sufoco!... Naquele quartinho estão presos como se fossem ladrões e bandoleiros, os meus amados assessores, os dignos filhos da cidade que tanto defendi... De que valeu meu trabalho, minha honestidade, minha ética? Se eu adivinhasse que tudo acabaria assim teria roubado, superfaturado, feito conchavos com empreiteiras e politiqueiros safados! Cheguei à conclusão que no mundo nada vale a pena se a alma é pequena.”
         Eram centenas de almas reclamando, todas se dizendo inocentes. Uma roubou diversas vezes o santo protetor, outro era agiota e destruiu muitos lares. Algumas eram almas de padres pedófilos e muitas outras eram almas de crentes que usaram a religião como escudo para ferir os semelhantes. Tinha pobre que usara da pobreza para se aproveitar da bondade alheia, ricos que acreditaram estar acima das leis. Pessoas rancorosas, invejosas, mal amadas escondidas por trás de sorrisos falsos e moral duvidosa, sepulcros caiados como bem convém.
         O transporte demorava e nesta hora é necessário ter muita calma, aproximei-me do quartinho onde estavam trancafiados os tais assessores da mulher chorona e reconheci muitos amigos. A mesma ladainha de sempre, eram todos inocentes... Um deles, o que parecia ser o chefe da turma, se aproximou da grade que os impedia de fugir da pequena sala e perguntou o porquê de eu estar ali, pois me conhecia como um jornalista sonhador, um Zé Ninguém... Mostrei meu cartão e ali estavam as razões de merecer o fogo eterno; - Fez campanha e votou errado.

Gastão Ferreira/2012  

Nenhum comentário: