quinta-feira, 31 de maio de 2012

Chega de foguetes!


A REVOLTA...


         A noticia estava em todas as redes sociais, internet, jornais e revistas. Nunca na história da humanidade ocorrera algo assim, pássaros em revoadas sobre uma pequena cidade durante vinte e quatro horas consecutivas... As ruas, os telhados, os pátios das casas estavam cobertos de excrementos, as pessoas que ousavam sair de seus lares eram atacados pelos dejetos das avoantes. As lojas, bares, padarias e supermercado fecharam temporariamente. As entregas estavam suspensas, ninguém arriscava enfrentar os perigos que rondavam pelos ares. Os animais domésticos, cães e gatos, estavam agindo de maneira estranha. Uivavam, latiam, miavam dia e noite... Uma loucura sem explicação.
         Técnicos em zoologia e ornitologia, em trajes especiais, analisaram as possíveis causas do fenômeno. Descobriram que o epicentro da ocorrência partia dos arredores da velha cidade, exatamente de uma pequena cachoeira localizada num local conhecido como Itaguá... Infiltraram um especialista em linguagem animal que aos poucos foi decifrando a causa em questão. Segue abaixo o relatório dos fatos com as devidas observações expurgadas do jargão técnico.
         “Os cientistas há muito descobriram que os animais se comunicam entre si. Recentemente a língua animal foi descodificada e decifrada. Sabemos muito bem o que um cão quer comunicar a seu dono, o que um pássaro anuncia com seu canto, o que um gato quer dizer com seus miados e ronrons. Nos diálogos gravados constatamos que os animais e pássaros que vivem na pequena cidade estavam estressados, que por diversos meios tentaram se comunicar com os humanos e expressar a causa do descontentamento. Partiram para o confronto quando chegaram à conclusão que jamais seriam entendidos.
         O motivo básico da revolta foi devido a grande queima de fogos de artifícios, os famigerados foguetes festivos. Na vetusta cidade todo e qualquer acontecimento é comemorado com rojões, bombinhas, foguetórios. Raro o dia em que meia dúzia de foguetes não desfaz a calma, o sossego, a tranquilidade do lugarejo. Pássaros no choco abandonam os ninhos, cachorros perdem o faro, gatos tentam inutilmente fugir do barulho, todos têm os tímpanos feridos. Tanto isto é verdade que a maioria dos cães deita no meio das ruas e não notam a aproximação dos veículos. Alguns gatos de uma hora para outra parece esquecerem o próprio nome e não atendem ao chamado dos donos, tudo isto é devido à surdez causada pelos altos decibéis emitidos pelos famigerados rojões.
         Sem ter a quem recorrer, pois os humanos se negam a prestar a mínima atenção a seus rogos, recorreram aos macacos, os parentes mais próximos da raça dos homens. Os primatas bolaram a revolta e enquanto não parar o terrível foguetório a cidade será bombardeada diariamente com a única arma que os pássaros possuem; - O coco!
         Recomendamos que as autoridades competentes atuem o mais rápido possível no sentido de coibir o uso excessivo de fogos de artifícios. O mundo evoluiu e hoje entendemos que o planeta é de todos os seres vivos e que animais também merecem respeito... Assinado: Técnico responsável.”
         A cidade após a proibição da usança de rojões voltou à rotina e a pouco um passarinho pousou numa pitangueira no quintal de minha casa. Agora já sei que eles falam e nos entendem, tentei um contato de primeiro grau... Ou o pássaro é um dos surdos pelos antigos foguetes, ou é abobado... Olhou bem para a minha cara, pulou para o galho mais alto da árvore e antes de alçar voo respondeu; - Bem te vi!  

Gastão Ferreira/2012   
         

Nenhum comentário: