terça-feira, 29 de maio de 2012

Ao menino Ranieri...


UM RIO CHAMADO RIBEIRA...


         Era apenas um garoto de oito anos, seu pai um homem simples, um sitiante. Sua mãe cuidava da casa, do marido, dos três filhos, do cachorro e do gato, lavava a roupa no riacho, gostava de rir, era uma mulher humilde e feliz. Ranieri, o segundo filho, tinha um cão chamado Feroz e que de feroz só tinha o nome, mas que julgava ser o seu melhor amigo.
         Normalmente as pessoas que vivem em bairros rurais são tímidas, um tanto arredias, introspectivas. Com Ranieri ocorria o contrario, gostava de contar histórias e os mais velhos se espantavam; - De onde esta criança tirou tanto converse? Do rio! Dizia o garoto.
         Naquela parte do terreno o Rio Ribeira nem parecia fluir, era como se estivesse tirando uma soneca, águas claras, algumas árvores frutíferas na margem e muitos e muitos pássaros entre as goiabeiras, os pés de araçás, as pitangueiras. Um barranco bom para sentar e espiar as novidades. O casal de João-de-barro estava construindo um novo ninho, os Tico-ticos estavam namorando, um Jacu solitário procurava companhia, as garças brancas pescavam lambaris. O rio parecia dormir e sonhar... Ranieri pendeu a cabeça sonolenta e o sonho chegou.
         Era o mesmo rio tinha certeza, mas estava diferente... Viu um índio flechando um peixe, depois passaram homens de roupas estranhas numa grande embarcação e com muitos selvagens amarrados por grossas cordas, ouviu o canto triste dos escravos africanos que seriam vendidos rio acima, os navios de passageiros, as grandes barcaças carregadas de fardos de arroz... Soldados desciam e atentos patrulhavam as margens, pescadores perseguindo cardumes de manjuba em plena piracema.
         Ranieri não entendia, estaria o rio contando a sua história, o que vivenciara através dos séculos? Agora a mata era densa, um Saci veio rodopiando e parou bem na sua frente, ele tinha um pé só. Um Curupira surgiu seguido de um Boitatá. O garoto olhou para o alto e imaginou um vislumbre de Tupã e nos olhos do Pai de Todos notou uma lágrima caindo sobre o rio. Anhangá gargalhou e Ranieri viu um homem com um menino pela mão, era o seu avô e o menino o seu pai. Assustou-se e ao espiar novamente, seu pai era um velho levando o corpo da esposa morta para ser velado na capela do povoado... Seus olhos choraram a mãe morta e nem prestou atenção quanto ele próprio veio com o filho até a margem do rio... Observou as carcaças de animais mortos boiando nas águas de uma grande enchente, viu um rosto de alguém que um dia amará, sentiu fome, tristeza, um vácuo sem nome, uma saudade que ainda não chegou... Na alegria de amar curtiu o abraço do filho que virá... Assistiu a velhice chegando e um imenso vazio chamado Morte gritando seu nome... Acordou.
         O rio era o mesmo, Feroz dormia num abandono feliz... O silencio chamava a atenção. Os pássaros estavam calados e a tarde parecia envelhecida, ao longe, para além do pé da serra, relâmpagos anunciavam a chuva noturna e o som vindo de tão distante era idêntico ao gargalhar de Anhangá... Ah, os sonhos do rio! Ah, os pesadelos do rio! O passado e o futuro se misturam quando o Rio Ribeiro conta a sua história... Ranieri é um menino feliz, tão bom contador de histórias quanto o rio que lentamente busca o mar para esquecer e renascer como chuva eternamente... Um dia Anhangá será vencido e Tupã voltará a sorrir... Eu sei... Eu vi... Foi o rio que contou.

Gastão Ferreira/2012  

Nenhum comentário: