quinta-feira, 5 de abril de 2012

O Sátiro e a Formiguinha...


O SÁTIRO E A FORMIGA

A floresta está um tanto abandonada. A rainha Aracne, cognominada “patinhas limpas”, passa horas e horas ouvindo o conjunto musical “O Som da Trilha”. Na verdade a soberana é muito imparcial, qualquer animal bobinho presta serviço gratuito ao reino. Que o digam os cavalos utilizados para roçarem picadas e caminhos baldios e os urubus que fazem a limpeza do lixo acumulado na mata. No mando só tem vez as raposas que levam embora o ouro e compartilham do poder e os ratos sempre dispostos a roubar o bem alheio.

A selva está em compasso de espera. Sim! Os animais tristes e desacorçoados querem mudanças radicais. Um novo rei está por chegar. Um rei que demonstre amor pela mata e que partilhe da vontade coletiva de sair da pindaíba, um soberano honesto e batalhador, um rei ético e dinâmico, um rei sem rabo preso com os bichos bandoleiros que arruínam tudo o que tocam.

A campanha eleitoral está a todo o vapor. Muitos candidatos estocam cestas básicas, dentaduras, material de construção entre tantos mimos utilizáveis como escambo, ou seja, um voto por um regalo ou favor... Pelo visto nada mudou na floresta! Os concorrentes aos cargos eletivos vendem terrenos, carros, a mãe, a tia e a irmã para fazer caixa dois e vencer os adversários.

O diferencial nesta empreitada cívica é que temos uma Formiguinha concorrendo ao pódio máximo. A rainha aranha mexe desesperada suas muitas patinhas para evitar que seu candidato, um jovem Sátiro sempre no cio, perca a parada. A vantagem da Formiguinha é que sempre foi dada ao trabalho, estudou, conhece bem a floresta e seus habitantes. Acredita em honestidade, ética e rigor no trato da coisa pública, quer dar uma geral na floresta.

Aracne, a rainha, está presa em sua própria teia. Foram tantos escândalos, tantos favorecimentos que a soberana não tem moral nem cacife para eleger ninguém, alias, quem elege é o eleitor e não cacique ou mandante distante. Por falar em cacique, os índios da floresta estão em pé de guerra, a maioria deve favores a monarca e estão fazendo de tudo para viabilizar o Sátiro como candidato imperial. A imprensa está com o poder e é totalmente parcial, impossibilitada de uma simples crítica a quem paga seu contracheque. Ficou cega, surda e muda, incapaz de uma simples cobrança.

Os habitantes da floresta estão temerosos, muitos animais ainda se vendem por ninharias e trocam uma possível melhoria por quatro anos no escuro. A Formiguinha tem muito trabalho pela frente, convencer quem está acostumado com a escuridão que a luz existe. Que a floresta tem tudo para dar certo e que se cada morador destas matas realmente quiser uma mudança duradoura a terá, e, a mudança começa pelo voto certo... Vote em quem presta, chega de cabresto, quem gosta de cabresto é filho de bode... Vida longa e sucesso a Formiguinha!

Gastão Ferreira/2012

Nenhum comentário: