quarta-feira, 21 de março de 2012

Uma nova visita...


VISITA INTRAGÁVEL...

Jamais me esqueci daquela visita especial, veio de muito longe, alem dos espaços estelares. Em plena segunda feira, dia do pessoal do sitio se apossar da praça, dia de lotérica cheia e longas filas nos Bancos. Chegaram sem avisar, sem foguetes, sem banda de música, sem salamaleques.

O disco voador desceu na orla do mangue e foi uma grande correria; - O que será? Um carro alegórico do carnaval desovado na beira da água? Um novo monumento para enfear a cidade? O que será? Vamos procurar as lideranças e perguntar o que é esta geringonça...

Estava o povo neste conversê quando chegaram às quinhentas pessoas que se achavam líderes... Afastaram o povão e um dentre eles se apossou do microfone; - “Calma minha gente, este objeto é um presente dos deuses, veio de muito longe, igual a nossa querida Cruz de pedra e eu prometo que neste local farei uma nova pracinha que custará três milhões e setecentos mil Reais...”, foi neste momento solene que a porta do objeto não identificado se abriu e um ser muito parecido com um Praquequi se apresentou em excelente português; - “Levem-me a seu líder?”.

Imediatamente os quinhentos puxa-sacos, digo lideres, abriram caminho para quem realmente mandava no pedaço... Nove pessoas se aproximaram do extraterrestre e o povão murmurando; - “Aquele ali não é o metido a besta do... E aquele outro não é o encarregado do... Aquele mais jeitosinho não é o do último escândalo? Cadê nossa mãe? Cadê nossa dona?”.

Foi neste momento que um carro oficial, cantando os pneus, trouxe a verdadeira líder, que não chegou junto com o restante do bando porque não se mistura com a oposição e a gente nem desconfiava que existisse oposição. Foi grande a ovação na chegada da líder máxima, não!... Não jogaram ovos em ninguém. Apenas se ajoelharam e bateram palmas como de costume.

O Praquequi se apresentou como já informei em excelente vernáculo, nossa amada e inteligente líder falou; - “Será que o sinhô pudia falá em portugueis?” No que foi assessorada pelo diretor de... Que sussurrou ao seu ouvido; -“ Mamãe! Ele está se comunicando em português castiço. Fique fria que eu traduzo!”

Para encurtar a conversa o extraterrestre explicou que sua nave, de última geração, estava se aproximando do sistema solar quando captou algumas conversas, discursos talvez, em que uma criatura, quem sabe um ator fracassado!, tamanha a verve e veemência com que tecia loas exageradas a uma cidade tombada, que toda a tripulação quis conhecer o magnífico local... Pediu permissão a grande líder para que seus fotógrafos, historiadores e técnicos espiassem tal maravilha.

Meia hora passearam os turistas, quando voltaram vieram de cabeça baixa, mostraram as fotos ao Praquequi e este fulo da vida, encarou a amada líder e disse na lata; - “Olha aqui Alteza! Veja estas fotos... Praças abandonadas, prédios em ruínas, lixo nas ruas, cavalos pastando no perímetro urbano, um monte de mendigos incomodando meus passageiros, monumentos faltando pedaços, alcoólatras dominando uma esquina da cidade... Propaganda enganosa é crime! Você não sabe?”.

A líder não sabia o que dizer, simplesmente encarou um de seus amados assessores e falou; - “Caramba! Você me põe em cada fria meu filho. Perdemos a chance de faturar uma bela grana com a construção da nova pracinha e ainda ficar conhecidos alem das fronteiras do universo.”.

O Praquequi fez pouco caso da mandona máxima e falou para sua tripulação; - “Entrem na nave! Já que estamos aqui vamos conhecer Cananéia e quem sabe salvar parte da viagem.”.

Quando os visitantes abandonaram a cidade, os quinhentos bajuladores, digo adorados líderes, escolheram entre eles um porta voz que falou ao povão presente; -“ Se algum de vocês abrir o bico sobre o ocorrido aqui hoje, vai ficar sem cesta-básica, sem dentadura, sem ambulância e sem serviço ... Desocupem a área... Caiam fora... Vão cuidar da vidinha medíocre de vocês que nós da diretoria vamos nos reunir no “Recanto dos Urubus”e fazer um abaixo assinado repudiando esta visita intragável... Aí galera vamos almoçar no “Recanto dos Urubus”e esquecer esta palhaçada!”

Gastão Ferreira/2012

Obs.- Vocês já viram um Praquiqui? Não?... Nem eu. Este texto é ficção, não tem nada a ver com a realidade... Nossa cidade é limpa, não tem pedinte, não tem cavalos pastando pelas ruas, nossa líder é culta e inteligente e não existe um restaurante chamado “Recanto dos Urubus”, portanto, nada de vestir carapuças.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Muito estranho...


MUITO ESTRANHO...

Penso que dormi ao volante. Quando o carro capotou fui jogado fora do veículo numa pirambeira sem fim. Por incrível que pareça não sofri um único arranhão, nenhuma dor, nenhuma luxação. Segui por uma trilha e encontrei uma casa escondida entre a densa vegetação. Fui atendido por uma senhora muito simpática que me convidou a entrar na moradia. A habitação lembrava um armazém daqueles antigos, tinha exposto no ambiente desde penicos a cadeiras de balanço. A proprietária explicou-me que apesar do nome “Jesus te Ama”, a vendinha era um ponto de comércio para os moradores da floresta.

Perguntei se havia algo para matar a fome e ela solícita respondeu-me; - “Temos hóstias, como sempre!”, “Nunca ouvi falar que alguém coma hóstia no almoço!” disse eu. “Pois vá se acostumando que por aqui é assim mesmo, temos hóstias de vários sabores, tais como feijoada, dobradinha, estrogonofe, frango assado, manjuba frita, sashimi para japoneses e sabor quibe para árabes.”, “E para beber?” perguntei. “A bebida de sempre, Água Benta! Já percebi que o senhor é novo por estas bandas, temos Água Benta sabor cerveja, vinho, limão, uva e de muitas outras frutas.”, “Tem sabor cachaça, para abrir o apetite?” me interessei. ”Não! Este sabor o senhor só vai encontrar mais no interior da mata, num boteco chamado Porta do Inferno, é a especialidade da casa por lá.”

Meu Bonje! Morri e estou num outro mundo, pensei. Pessoas comendo hóstias e bebendo água benta, coisa de louco! Nem pensar em tomar uma cachacinha... Porta do Inferno! To fora. Prestei atenção ao que me cercava e notei que quase tudo que estava exposto no armazém era coisa antiga, coisas que não mais existiam em minha época histórica... Como sair deste labirinto, deste tempo que não é meu? Porque dormi ao volante?... Espera aí! Eu dormi ao volante, o carro capotou e vim parar neste lugar... Muita calma nesta hora! Eu não sei dirigir, eu não tenho carro e da última coisa que lembro é que cheguei a casa após uma grande cervejada e me joguei na cama... Meu Bonje! Eu estou sonhando... Ufa! Ainda bem que é um sonho, sendo assim vou até a birosca “Porta do Inferno” só para saber como é o outro lado... Fui! Depois eu conto o que vi por lá...

Gastão Ferreira/2012

terça-feira, 13 de março de 2012

Uma louca história de amor...


HISTÓRIA LOUCA... LOUCA HISTÓRIA


Desde oprimeiro dia em que Pedro conheceu Maria, algo indefinido chamou a suaatenção... Maria lembrava alguém! Conversa vai... Conversa vem... Mão aqui...Mão ali... Mão acolá. Maria era muito parecida com Pedro, o mesmo tom de pele,a mesma tonalidade de cabelos, a mesma cor de olhos, o mesmo sinal de nascençanum lugar muito secreto. “Como Pedro soube do sinal secreto?” perguntará umatento leitor!Ele soube por que fez nheco-nheco, nhico-nhico, nháco-nháco comMaria durante dois anos diariamente... Oh!
Pedro, ogaranhão, costumava presentear algumas de suas conquistas com motos, outrasmais humildes com bicicletas e as muito pobres com lanches ou cachorros-quentesna madrugada. Quando Maria soube da ficha amorosa de Pedro, exigiu um caro zerokm e Pedro mandou Maria plantar batatas. Que decepção! Maria já pegara emmuitas coisas estranhas em sua carreira, menos em uma enxada e de maneiraalguma passaria pela humilhação de plantar tubérculos para satisfazer a tara deum amante.
Maria emdesespero contou à sua mãe, que era também sua melhor amiga, o drama pelo qualpassava; - “O que! O desgraçado do come quieto não quer te dar um carro zerokm? Vamos a delegacia dar parte de estupro!”... Feito o Boletim de Ocorrência anoticia vazou. Vazou por quê? Por que vazou?... Porque as amantes muito pobresse revoltaram ao saberem dos muitos mimos que Pedro dava a seus amores, motos,bicicletas e elas que só ganhavam lanches botaram a boca no trombone.
Um canalde televisão comprou a briga e igual a um “Big Brother” reuniu a família dePedro e a família de Maria frente às câmeras. A reportagem foi ao vivo e acores em três partes. O primeiro bloco foi com a família de Pedro, cujo paiapós enumerar os inúmeros dotes do filho, que segundo as más línguas é muitobem dotado, negou que seu inocente pimpolho tivesse sequer encostado um dedo emMaria; -“Puxou ao pai!” afirmou aos prantos e com sorriso maroto completou;-“Meu amado filho está em estado de choque! Vai processar esta cadelachantagista, pois meu Pedrinho jamais olhou com olhos pidões para outra donzelaa não ser para a própria esposa...”.
Nasegunda parte da reportagem, a mãe de Maria abraçada à filha, contou frente àscâmeras e nos mínimos detalhes sórdidos o que ocorrera entre a ingênua Maria eo sátiro Pedro. As sem-vergonhices que o cafajeste obrigava sua inocentefilhinha a praticar... Era tanta putaria e sacanagem que o programa quase saiudo ar, o Kama-Sutra parecia um Catecismo na imaginação dos pombinhos...
Noúltimo bloco do programa a fatal acareação. Pedro e Maria face a face!Apenas asfamílias estariam ali reunidas, afinal, roupa suja se lava em casa... Na salaestavam Pedro, sua esposa e seu pai quando adentrou a família de Maria... Umgrito, quase um uivo se ouviu; - “Maaaaarcos! Meu amor.”... Sim? A mãe de Mariativera um caso, um romance secreto, uma pulada de cerca no dizer popular comMarcos pai de Pedro e “Meu Bonje!” Maria era meia-irmã de Pedro e Pedromeio-irmão de Maria...
Oprograma saiu do ar por dez minutos e quando retornou explicaram que tudo nãopassara de um grande engano, uma mentira, uma aleivosia, uma pegadinha, umaarmação de desafetos particulares para ferrarem com o ingênuo Pedro, que Pedronunca estuprou Maria e que Maria nunca imaginou que existissem tantassacanagens iguais as que sua tola mãe enumerou frente às câmeras... Em lágrimaspediu perdão a Pedro e confessou que sempre nutriu pelo mesmo um sentimentocasto de irmã... Fim.


Observação; - Maria está feliz da vida, ganhou do paide Pedro e também seu papai um carro zero km, um apartamento e uma loja paracomeçar vida nova... Quem não engoliu muito bem a história foram ostelespectadores e a esposa de Pedro, que foi retirada da sala quando o programasaiu do ar e ao voltar ao recinto fez de conta que não entendeu ou entendeumuito bem essa louca história ou história louca.


Gastão Ferreira/2012