terça-feira, 17 de maio de 2011

VOVÓ PENÉLOPE...


VOVÓ PENÉLOPE...

Vovó Penélope foi a melhor pessoa que conheci. Carregou sua cruz sem rodinhas e nunca reclamou. Quando vovô Ulisses fugiu com uma trapezista do circo, que anualmente visitava a cidade, a única observação foi:- “Faça um bom proveito! Já vai tarde... Um dia ele volta.” Ela estava certa, vovô sofreu horrores nas mãos daquela sirigaita, foi trocado por um jovem paraguaio em Foz do Iguaçu, escravizado em uma fazenda, quase morto por uma onça pintada, escapou do abraço de uma Sucuri no Pantanal, viveu entre os índios Tipitis e aprendeu sua língua, foi peão de boiadeiro, sabe domar cavalos e fazer belas arapucas para prender passarinhos... Desde criança ouço suas histórias, não sei se são verdadeiras, só sei que vovó acertou, pois vovô voltou.

Quando vovô Ulisses retornou, papai já estava casado. Vovô correu mundo por dez anos; -“Praga de cigana” dizia... A trapezista era também cartomante, lia a mão das pessoas, fazia feitiços... Uma bruxa nas palavras de vovô. Só vovó Penélope não acreditava:- “Deixa prá lá! Esse velho não tem vergonha nas fuças, mente mais que candidato em palanque. Que fique morando no quartinho dos fundos até quando bem quiser, tem saída independente e um bom banheiro”

Ao fugir com a garota do circo, vovô levou metade da alegria de viver da vovó e deixou filhos adolescentes para criar, educar, alimentar... Vovô não faz idéia do que vovó sofreu. Vovó foi moça bonita, muito prendada, casou cedo e teve três filhos antes de completar vinte anos. Gostava de ler e passou o gosto para a filharada. Com muito sacrifício tocou seu barco vida, nunca sofreu um naufrágio, boa remadora seguia uma rota sem desvio; - Manter a família unida a todo o custo.

Tia Helena é advogada e mora em cidade grande. Tio Ícaro bateu asas e serve na Marinha Mercante, comanda um grande navio e é quem mais ajuda vovó. Ele é o filho mais velho e se acha o responsável pelos dois irmãos menores, papai Telêmaco e tia Helena. Logo após a fuga de vovô, vovó montou uma pensão com cama e mesa para estudantes que vinham de longe fazer cursos na Escola Agrícola da nossa cidade. Também servia comida caseira aos trabalhadores do Porto e a quem gostasse da simplicidade saudável de sua cozinha caiçara.

Pai Telêmaco nunca saiu de perto de vovó Penélope e foi o único a acreditar que vovô Ulisses um dia retornaria ao lar. Quando papai casou, tio Ícaro e tia Helena ajudaram na compra da casa nova, a qual ficava ao lado da casa velha da vovó. Alem de ajudar vovó, papai é Técnico em Agronomia, um homem bom, de muitos amigos e graças a Deus não puxou pelo pai, jamais quis se aventurar longe da cidade. Acho que de todos os filhos é quem mais conhece vovó, foi ele que convenceu os irmãos a aceitarem novamente a presença de vovô.

O sonho de papai era ver sua mãe feliz; - “Como na Odisséia!”, dizia... “Vó Penélope espera por seu Odisseu, o grande amor de sua vida, quando ele voltar ela estará realizada!” Papai acertou, mas no começo ela brigava por qualquer motivo e vovô não dava a mão à torcer. Cada dia um presentinho, um gesto de carinho, uma palavra sussurrada que a fazia corar... Vovó voltou a cantar, seu riso era ouvido no quintal de casa, seus olhos brilhavam quando vovô abria o portãozinho ao chegar do serviço e papai falava; - “Ela vai ceder! Eu sei que ele foi seu único amor.”

Um dia entrei no quartinho de vovô Ulisses e pedi que falasse da sua vida com a trapezista cigana; - “Mulherzinha a toa, não servia para lavar os pés da tua avó... Casei com dezoito anos e com sua tia Helena a caminho, dei um duro danado com a filharada chegando, sua avó não desgrudava das crianças que exigiam atenção redobrada... Comecei a sair com alguns amigos, eu era moço e bem apessoado, a trapezista bem mais velha queria carne nova, dois meses e eu fui trocado por um novo amor. Entendi que havia jogado fora a verdadeira felicidade, minha esposa e meus filhos, compreendi que perdera tudo o que amava. A simplicidade da casinha onde era feliz, o amor da primeira e única mulher que amei de verdade. Não vi meus filhos crescerem, não partilhei de seus sonhos e suas dores. Sofri e comi o pão que o Diabo amassou, mas eu amava e estava arrependido, por isso tomei coragem e voltei. Eu também quero ser feliz! Eu amo Penélope.”

Na festa de aniversário de cinqüenta anos de vovó Penélope, todos os filhos e netos estavam presentes. Vovó estava radiante e após as palmas dos Parabéns a Você, vovô fez um belo e sentido discurso frente à família e aos amigos. Com lágrimas nos olhos contou sua história, falou de sua juventude, de como conheceu vovó e pediu publicamente o seu perdão, jurando eterna lealdade. Pois não foi que vovó aceitou! Papai estava contente... Vovó era novamente feliz! Vovó abraçada a vovô, ainda guardo essa velha fotografia, seus olhos brilham... Foi a última foto de vovó, um enfarto fulminante a levou e vovô Ulisses também partiu para sempre, seguiu vovó para o mundo onde moram os sonhos e lá com certeza existe a tal Felicidade... Que saudade!

Gastão Ferreira/Iguape/2011

Nenhum comentário: