domingo, 10 de abril de 2011

LOBISOMEM

Árvore plantada pelo Lobisomem


LOBISOMEM




Quando Zeus, o pai dos deuses e dos homens do panteão mitológico grego, transformou o rei da Arcádia, Licaon em lobo, surgiu o primeiro Lobisomem. O Licantropo dos gregos é o mesmo que o Versipélio dos romanos, o Volkodlák dos eslavos, o Werewolf dos saxões, o Wahrwolf dos alemães, o Óboroten dos Russos, o Hamtamm dos nórdicos, o Loup-garou dos franceses. O Lobisomem da Península Ibérica, da América Central e da América do Sul, com suas modificações Lubiszon, Lubishon, Lubishome, nas lendas desses povos trata-se sempre da crença na metamorfose humana em lobo, por castigo divino.

Desde a era mais remota, a crença na metamorfose faz parte da mitologia de todas as civilizações. Incas, Maias, Astecas, indígenas sul-americanos têm suas lendas a respeito, porém com pequenas variações. Os colonizadores portugueses trouxeram consigo o Lobisomem herdado dos gregos e romanos. No período colonial, muitos desafetos foram mortos pela Besta Fera, quem sabe, uma morte anunciada ou uma desculpa esfarrapada de um crime não solucionado!

Na Princesa do Litoral, tão velha quanto o Brasil, os lendários Lobisomens sempre fizeram a festa. Nos bairros rurais, até os anos setenta do século passado, tal assunto era secretamente comentado pelos bares da vida. Os mais antigos sabem das histórias e quando as contam pedem segredo, pois, caso a narrativa chegue aos ouvidos do suspeito de virar Bicho, a vingança da fera será maligna.

No antigo Caminho do Porto, quando ainda era mal iluminado, muitas pessoas correram o risco de serem atacadas por um grande cão preto, que da escuridão da noite, do nada, surgia e aumentando de tamanho apavorava quem por ali passasse. Contam, as lendas urbanas do município, que um famoso prefeito foi atacado por um Lobisomem e que o valente alcaide defendeu-se na paulada, quase matando o animal... Foi assim que Durandino foi desencantado e pelo que se sabe, nunca mais atacou ninguém.

Durandino, mais conhecido como Bidam, é a pessoa a quem devemos a existência da belíssima árvore que enfeita a Praça Independência (Praça situada atrás da Igreja Nossa Senhora do Rosário). Foi, seu esforço e carinho que a preservou, dizem, que a molecada destruía cada muda recém plantada. Bidam fez com bambus, um alto cerco em volta da arvorezinha para evitar o vandalismo, eis a origem do belo círculo em torno da majestosa árvore que tanto nos encanta com suas flores vermelhas e ramagem exuberante.

Em Iguape, existiram muitos suspeitos de ser o Bicho Fera. Hoje, com a farta iluminação, o contínuo trânsito de pedestres e veículos em horário noturno, o Lobisomem desapareceu, dando lugar aos oportunistas que assaltam quem passeia na madrugada.

Na Iguape de outrora, quando as famílias se reuniam a luz de lampiões, os mais velhos passavam aos filhos, nossas lendas, nossos causos, nossa história. Com certeza o Lobisomem fazia parte do mito e também do receio de tudo que se escondia na escuridão.


Gastão Ferreira/Iguape/2011

3 comentários:

Ana Holanda disse...

Lendo pude relembrar que ouvia meu pai contar causos muitos deles sobre lobisomem e assombração.
Parabéns pela crônica e por me proporcionar lembranças tão queridas.
abraços

www.ranierimirandaveraz.blogspot.com disse...

queria ter esse dom com as palavras muito oportuno...parabens adoro quando visito aqui

www.ranierimirandaveraz.blogspot.com disse...

queria ter esse dom com as palavras muito oportuno...parabens adoro quando visito aqui