quarta-feira, 9 de março de 2011

ENQUANTO DORMIA...


ENQUANTO DORMIA...

Paloma era filha de Dito Zóinho, morava num puxadinho nos fundos da casa de sua avó Madame Esmeralda, a vidente. Dito trabalhava “por conta”, ou seja, catava papelão, latinha de alumínio, plásticos e afins. A garota morria de vergonha do ganha pão do pai, esquecida que era com esse humilde serviço que todos sobreviviam. A avó Esmeralda além de vidente colocava cartas de tarô e fazia algumas macumbinhas básicas, mas devido à propensão para o alcoolismo nunca fez o seu pé de meia.

Paloma era por demais sensível, não gostava de pobre, não gostava de arroz com feijão, não gostava de trabalhar nem de ajudar nas lides de casa, era uma chata por natureza e esnobe por opção, a tal que comia ovo e arrotava bacalhau. Era a menina dos olhos de Madame Esmeralda que desde o nascimento da neta lhe previra um futuro brilhante.

Naquela noite Paloma foi dormir magoada. Zé Mandi acabou o namoro de três meses. Na verdade a trocou por Zileide uma imbecil cujo pai era proprietário de uma birosca mal afamada. Bem feito para ele! Não sabia em que encrenca estava entrando. Paloma nasceu para ser rica e feliz e não seria o pé rapado do Zé Mandi que lhe daria o mundo que merecia... Adormeceu.

Ao acordar uma camareira extremamente servil perguntou:- “Princesa Paloma qual de seus cinco mil vestidos vossa real pessoa quer usar hoje?”... Princesa? Real pessoa? Cinco mil vestidos? O que estava acontecendo? Estava sonhando? Era melhor se informar sobre o que ocorria sem levantar suspeitas.

“Estou um tanto abalada devido a um terrível pesadelo! Que será que ocorre comigo?”, “Acho que nada de anormal Princesa! Ontem à noite seu pai o rei anunciou à corte seu futuro noivado e talvez esse fato a tenha levado a ter um mau sonho.”, “Como assim?” Perguntou Paloma. “Realmente vossa realeza está diferente, mas vou tentar ajudar:- Vossa majestade é a única filha de nosso rei, seu nome é Thalula Paloma Denise Maria do Socorro... de Alcacér... Na verdade são sete nomes, um para cada dia da semana e como hoje é segunda feira devo chamá-la de princesa Paloma.”

“Quer dizer que tudo isso aqui é meu?”, “Sim majestade! Seu pai é muito ocupado e a senhora é órfão, desde criança vive cercada desse conforto nababesco, seu serviço pessoal conta com duzentas servas para um atendimento rápido e eficiente.”, “Tenho muitas amigas?”, “Não majestade! Nas redondezas não existem pessoas a sua altura para uma amizade sincera.”,” Que vida triste a minha!”,” Que é isso princesa! Tem milhares de pares de sapatos, milhares de vestes, come do melhor... Nós os servos nos vestimos de farrapos, sempre famintos e sem direito de reclamar... Tire esses pensamentos da cabeça, pois caso cheguem aos ouvidos de seu pai, vossa majestade terá problemas!”,” Tudo bem! Vamos escolher o vestido do dia.”,” Que tal esse?”, ”Noooossa! Parece uma tenda de circo.”,” Princesa! A senhora pesa exatamente 145 quilos e duzentas gramas... O vestido ficará perfeito!”

Paloma conseguiu a duras penas entrar no vestido, ao se olhar no espelho o choque foi instantâneo, parecia uma baleia de tão gorda, seu rosto deformado, seus olhos minúsculos... Uma prisioneira, segundo a serva... Tão volumosa que não conseguia andar... Que vida medíocre! Sem amigas, sem fazer nada, cercada por salamaleques... A outra Paloma, a do pesadelo, apesar da penúria tinha uma vida melhor que a sua... Oh Deus!

A alimentação matinal foi servida... Dezenas de pratos diferenciados, milhares de calorias desperdiçadas enquanto os servos e servas não ousavam olhar para tanta comida... Nesse momento soaram as trombetas, as portas do aposento foram escancaradas e o rei adentrou o ambiente:- “Seu futuro marido! Minha filha.”... Paloma fitou o pai, um completo desconhecido e ao mirar o rosto do noivo soltou um grito e desmaiou... Ao acordar do chilique estava em seu mísero quartinho nos fundos da casa de vovó Esmeralda.

Desde esse estranho acontecimento Paloma mudou seu comportamento, tornou-se uma aluna exemplar, uma pessoa humilde, conquistou muitas amizades. Hoje dá aula na zona rural, alfabetizou Dito Zóinho. Internou Madame Esmeralda em uma clinica de recuperação na qual Madame conheceu o pastor Galvão e converteu-se em adepta e esposa. Paloma está realizada e feliz, comprou casa própria e casou com Paulo Jacaré um empresário que tem a mesma fisionomia do nobre noivo que conheceu enquanto dormia.

Gastão Ferreira/2011

Um comentário:

www.ranierimirandaveraz.blogspot.com disse...

sempre venho aqui e sempre tem coisas interessantes parabens pela cronica....e tenha uma boa noite