sexta-feira, 25 de março de 2011

BRINCADEIRA DE MENINO


BRINCADEIRA DE MENINO

Era apenas um menino ajoelhado a margem do regato do tempo espiando a eternidade. Ele concebeu que a pequena torrente juntar-se-ia a um rio e a outro e a outro até chegar ao oceano, o destino de todos os rios. O menino criou o mar universo. Inventou que a água era formada de moléculas e que trilhões de trilhões de moléculas formavam o existir.

Imaginou que cada molécula era um sol com pequenos átomos ao seu redor chamados planetas e muitos planetas possuíam vida inteligente, animais, pássaros e árvores. Nestes mundos existiriam pessoas para transformar os sonhos em realidade. O menino sorriu, viu o primeiro homem que ousou erguer a face para as estrelas, o homem que trocou a árvore pela caverna, o coletor, o semeador, o construtor de cidades.

Assistiu a tentativa de Ícaro e a impossibilidade de voar, a construção da torre de Babel e a multiplicação dos idiomas, a adoração do sol, da lua, das forças da natureza, o chamado divino gritando no coração dos homens. Os sacrifícios a Baal, a Zeus, a Jeová. O sangue inocente dos animais em oferenda ao Criador de todas as coisas.

Conheceu Amom-Rá, Mitra, Isis e Osíris, Crono, Júpiter, Obatalá, Átis,Odin, Orumilá, Tupã, Dionisio, Oxalá, milhares de altares de milhares de deuses. Assistiu a morte de Sócrates, o nascimento da filosofia, a formação dos grandes impérios. Galileu absolvido e Giordano Bruno condenado, a queima de Joana D’Arc e sua santificação pelos mesmos que a amaldiçoaram. Notou que as fogueiras da Inquisição assassinavam quem ousava pensar e questionar. Que as grandes Cruzadas e as guerras religiosas negavam a fraternidade universal.

O menino sonhou com o homem que compartilhava. Com o que tinha fome de justiça, com o que defendia o fraco do forte, com o que amava os pequenos seres da natureza. Chorou com Francisco de Assis, cantou com Orfeu, riu com Carlitos.

Assustado com tudo que idealizou tentou apagar seu sonho em água, fogo, terremotos e maremotos. Ainda não sabia que sua mente era uma mente criadora, que o simples ato de pensar dava forma as idéias, construindo uma realidade tão eterna quanto ele próprio. Era um garoto solitário, o primeiro, o único e o último ente a ser formado pela ordenação do caos primitivo, possuidor de todo o conhecimento. Estava apenas brincando, dando vida a matéria de que são feitos os sonhos. Seu nome era Deus!

Gastão Ferreira/2011

Nenhum comentário: