quarta-feira, 21 de abril de 2010

DIA DO TRABALHO


DIA DO TRABALHO

Naquela cidade... Tão perto do mar, a comemoração ao Dia do Trabalho foi inesquecível. Uma festa para ninguém por defeito. Os professores e seus alunos representaram no entorno da Praça da Matriz os períodos históricos pelos quais a cidade passou. Começou com os índios formadores de Sambaquis e suas montanhas de lixo, depois vieram os Descobridores, os Desterrados, os Mineradores, os Escravocratas, os Senhores de Engenho, os Coronéis, os Navegantes, os Pescadores e o Zé Povinho.
Um belo palanque foi montado para as autoridades e comezinhos, o povo aplaudia o evento, afinal era uma festa comemorativa ao Dia do Trabalho e naquela cidade... Tão perto do mar, como se trabalhava! Algumas pessoas labutavam em vários cargos diferenciados, a bem da verdade metiam o bedelho em tudo e recebiam para isso.
Perto do meio dia os funcionários da municipalidade ofereceram um show à parte. Os fiscais com seus blocos de multa, as mulheres da limpeza pública com seus carrinhos e vassouras fazendo malabarismo incentivavam a galera ao aplauso, as ambulâncias, os caminhões, os carrinhos de mão, uma famosa máquina varredora de rua que nunca ninguém viu fechou a apresentação.
As autoridades almoçaram no restaurante mais caro da cidade, afinal era Dia do Trabalho e eles tão abnegados servidores mereciam o melhor, o povo que pagasse a conta da comilança. O Povo foi para casa comer um bolinho de arroz com peixe frito e esperar a festa noturna.
A festa noturna era aguardada com ansiedade, normalmente uma banda ou artista famoso se apresentava e nesse ano seria um conjunto. As pessoas vestindo suas melhores roupas foram se acercando do local do evento esperando a abertura dos portões... Foi quando foi solicitado o bilhete de entrada. Bilhete de entrada?Pagar para festejar o Dia do Trabalho?
Caso o fato ocorresse em outra cidade, longe do mar, o desfecho seria fatal. O trabalhador exigiria respeito ao seu dia, mas naquela cidade... Tão perto do mar! Bem... Ficou por isso mesmo, afinal quem paga a boa vida dos mandantes?Quem paga cruzeiros marítimos?Viagens
nacionais e internacionais?Rega-bofes intermináveis?Dinheiro não dá em árvores e de algum lugar terá que sair!Que saia então do bolso de quem paga impostos... Que saia do bolso do povo que não reclama e ainda aplaude a mediocridade, a arrogância e a prepotência. Bom Dia do Trabalho!

Gastão Ferreira

Nenhum comentário: