domingo, 10 de janeiro de 2010

UM PESADELO

UM PESADELO

Palácio da marani Avandra

Avandra descendia dos marajás de Brhamaeskol, um reino milenar situado na misteriosa Índia. Uma noite a marani Avandra sonhou que seu belo e próspero reino foi tombado. No sonho, sua majestade e seu Bobo da corte saíram a conferir o estrago. Num grande e belo portal que dava acesso ao reino, notou uma placa com um pequeno resumo da história do vetusto reino:- “Olha Bobo! Que maravilha, uma placa explicativa apontando aos visitantes o que temos que outros locais não possuem...” e o Bobo disse:- ”Mandarei retirar imediatamente essa coisa horrorosa. Para que placa se o mundo todo conhece vosso afamado reino!”.
- Bobo! Olha que graça de pracinha, possui até um Tori, é a homenagem de um antigo marajá a primeira colônia japonesa estabelecida na região. Os turistas ficarão encantados com esse pequeno e mimoso jardim em estilo nipônico...
-Não se preocupe! Vamos alugar a frente a uma banca de jornal e assim ninguém vai notar essa infantilidade construída com o dinheiro enviado pelo consulado do Japão.
- Praça São Ghandidito com seus velhos casarões completamente preservados, que maravilha! Prédios antigos, solares do passado, árvores centenárias fornecendo abrigo aos pássaros e aos transeuntes... Que belezinha!
- Marani! Menos por favor!Só ignorantes chamam a praça por esse nome vulgar. Por favor, Praça Dr. Sirgreenhalghnenmoraaki e pode ficar sossegada que vamos mandar podar essas árvores e destelhar os casarões.
- Meu Bobo! Que local paradisíaco. A Fonte do senhor Brhama! Quantos casais enamorados sentados recatadamente nos bancos de pedra. Turistas alimentando os peixinhos no piscoso lago. Adolescentes banhando-se nas águas cristalinas ao som dos pássaros canoros. Oh! O deus do amor fazendo pipi.
-Majestade pelo visto conseguiu ler seu primeiro livro na vida! Sua linguagem está encantadora e um tanto rebuscada, mas não se preocupe vou mandar retirar e levar para um local secreto e bem longe de vosso reino esse Cupido desnudo, quem sabe ele possa ser causa de prostituição infantil, pedofilia e uso de drogas nesse local num futuro próximo.
- Querido Bobo! Estou encantada... Ruas limpas, crianças com uniforme escolar... Há quanto tempo não via um aluno com uniforme, só uma cidade tombada tem dessas reminiscências do passado.
- Hoje mesmo darei severas ordens para que a coleta de lixo se torne menos ostensiva... Um relaxo básico. Essa criançada está destoando dos tempos modernos, não ouço um palavrão, um xingamento, que coisa mais ultrapassada... Xô criançada ridícula!
- Bobo! Veja o lagamar. Que limpeza, que colírio para os olhos, quantos pescadores, quantos biguás, garças e socós!
- Nhanhanham! Nada disso. Vamos colocar alguns moradores de rua para enfeitar essa orla marítima, que construam seus mocós embaixo das árvores e façam fogões com as pedras do calçamento e vamos dar um jeito de assorear essa água toda. Vamos tornar esse local civilizado.
- Bobo! Veja. Ali no meio da praça. Espia que coisa ridícula, uma churrasqueira com uma cruz de pedra! Ridícula... Ridícula... Ridícula!
- Majestade! Marani Avandra... Chega... Basta! Aonde vossa majestade quer chegar?Eu sou uma pessoa culta. Um homem viajado. Um estudioso. Seu guri, digo, seu guru. O ser que o próprio universo preparou para guiá-la nessa jornada evolutiva. Eu sou os seus olhos, os seus ouvidos, seu amor e seu ódio, mas eu não sou os seus neurônios, a sua inteligência e assim não da mais! Eu vou explodir! Eu vou virar purpurina... Que se dane sua imbecil! Sua burra! Pode me demitir. Expulsar-me do reino, mas nunca mais ofenda esse monumento ou eu mudo de lado e arrumo uma improbidade imediatamente para você sua vaca velha.
A marani acordou trêmula e imediatamente sentiu o cheiro do lixo acumulado frente ao palácio. Ouviu os palavrões das educadas crianças e a voz de um pedinte alcoolizado insistindo em descolar uma grana para um cafezinho:- “Ufa! Estou em casa, no meu lindo e próspero reino. Ainda bem que foi apenas um pesadelo!”

Gastão Ferreira

Obs. – Esse texto é ficção. Aos conhecedores da Índia milenar peço desculpas... Coisas de pobreza intelectual.

Nenhum comentário: