sábado, 19 de dezembro de 2009

VOTO DE MINERVA


VOTO DE MINERVA

Naquela cidade, tão perto do mar, um novo e caríssimo monumento estava para ser erigido. O povo curioso queria saber como seria a grande obra que marcaria para sempre a passagem do alcaide de plantão e seus assessores pelo poder municipal e em cuja placa de bronze as gerações futuras veriam os nomes dos mentores do projeto ali realizado. Diziam as boas línguas ferinas que toda a moderna tecnologia do século XXI, desde os computadores “on-line”, as ligas de tungstênio que revestem as naves espaciais, os materiais de última geração, enfim tudo que o gênio humano pudesse comprar seria utilizado, pois havia um motivo para que assim o fosse, a obra de arte seria a primeira do novo milênio e ficaria exposto na praça principal, um chamariz para turistas e apreciadores do belo. Muito dinheiro estava envolvido no projeto.
Os engenheiros responsáveis pela obra fizeram um concurso para escolher o melhor projeto, pois não queriam arcar com a responsabilidade de erigirem uma coisa qualquer. Caso o vencedor tivesse domicilio na cidade estaria dispensado de pagar IPTU pelo resto da vida, se um estrangeiro ganhasse, seu premio seria um ano de hospedagem gratuita no hotel mais chique do município, a mundialmente famosa “Pousada dos Condores”, um cinco estrelas para ricos da terceira idade.
Monumento em cidade histórica é coisa séria, notem como são comentados os que enfeitam Roma, Paris, Moscou e o mundo estava voltado para aquela cidade tão perto do mar. Todos os que entendiam de arte se perguntavam:- Qual obra será escolhida? Qual seu significado perante a humanidade?
No dia da escolha do vencedor, as televisões passavam flashes dos projetos. Um americano montou um labirinto onde imagens holográficas tridimensionais mostravam o passado glorioso da localidade, desde que a primeira ostra foi jogada displicentemente no primeiro sambaqui até o preparo da última refeição pelos pedintes nas proximidades da praça central, que naquele momento gratinavam alguns mariscos para tira-gosto acompanhado de uma garrafa de pinga. Uma superprodução... Um diferencial na história da arte.
Um europeu esnobou, fez um apanhado geral da raça humana e no puro mármore de Carrara esculpiu a raio laser o que nem Fídias, o maior escultor de todos os tempos conseguiu:- A perfeição! O Homem Caiçara.
A escolha deu empate. O representante da ONU temeroso de tomar partido em tão importante decisão chamou ao microfone um pau mandado dos mandatários, informou do impasse e disse:- O voto de Minerva é seu! Escolha.
O pau mandado, que não gostava nada de aparecer, arrancou o microfone das mãos do homem da ONU. Não xingou desafetos, não mandou recadinhos e com toda a sua fina educação apenas concluiu:- Meu nome não é Minerva! Eu não sou Minerva! Não conheço essa jabiráca e não quero conhecer! O monumento será o que eu criei. Uma obra prima que levará meu nome para a eternidade. O monumento será uma CHURRASQUEIRA CRISTÃ, já temos a cruz e será minha homenagem ao pessoal de Santa Catarina que adora carne assada! Fui.

Gastão Ferreira

Obs.- Esse texto é ficção. A cidade de Matutinhos no Paraná, tão perto do mar que me perdoe, mas qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

Nenhum comentário: