quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

A FEIRA DE QUINTA FEIRA


A FEIRA DE QUINTA FEIRA - 24/12/2009



- “Olha o peixe! Temos robalo, tainha, cascudo, traíra, mandi, manjuba, bagre em posta... Olha o peixe!” Olha a feira! É o seu Paulo vendendo o seu peixe na primeira barraca, depois vem o Arildo com suas frutas e verduras, um dos mais antigos feirantes de Iguape. Qual iguapense não comeu um delicioso pastel feito por dona Irene e seu Tomyo? Pois é venderam a barraca, mas o pastel continua o mesmo.

Seu Augusto é o homem das bananas, há mais de trinta e cinco anos fazendo a feira semanal. Na feirinha tem de tudo, desde peças para fogão, concerto de panelas, roupas, calçados, flores, mudas de árvores, temperos e carnes defumadas.

A barraca do Osmar só vende produtos sem agrotóxicos, o pai de sua esposa foi um dos iniciantes e a história de nossa feira começou há muito tempo, em 1973 na orla do lagamar, na Avenida Princesa Isabel. Com as filas quilométricas que se formavam para a travessia na balsa para a Ilha Comprida mudaram a feira para a Vila Garcez. Ficou pouco tempo, era longe e o povo não aprovou e desde os anos noventa está na Rua Capitão Dias.

A feira é nosso ponto de encontro semanal e todo o iguapense sabe onde é a rua da feira, mesmo em épocas em que a rua alagava e o povo reclamava, ninguém deixava de comparecer. Temos feirantes de nossa própria cidade, alguns vêm de mais longe e fazem feira em várias localidades do Vale do Ribeira. Nossos sitiantes trazem mercadorias fresquinhas, farinha de mandioca, aipim e frutas da região.

É na feira que conhecemos as figuras mais estranhas, onde ocorrem fatos pitorescos e onde se fica sabendo das últimas novidades e fofocas. É na feira que revemos velhos amigos e conhecidos e encontramos pessoas dos bairros rurais mais afastados.

-“Olha o peixe! Temos filé de pescada, camarão, lula, ostra...” É o Santana, um peixeiro da Ilha Comprida que na última barraca, já no fim da rua encerra a feira. É a feira! É a feira.

Gastão Ferreira





























Um comentário:

Jovelina disse...

Oi Gastão! adorei sua poesia. Vou levá-la para os meus pequenos amigos recitá-la.

Jovelina.