sábado, 8 de agosto de 2009

O LEÃO DO SOBRADO


O LEÃO DO SOBRADO

Vou despencar
Desse telhado!
Vão me matar,
Estou magoado!

Que fim tão triste
A um nobre rei,
Que a tudo assiste
Calado eu sei!

O rei leão
No seu sobrado
Não sabe não?
Está ferrado.

O que ele via
Na noite escura
Oh! Fantasia
Tudo insinua...

Viu a menina
Viu o pastor
Viu a batina
Viu o cantor

Viu procissão
Santo no andor
Viu o ladrão
Viu o doutor

Sentiu o vento
Provou da chuva
Leu pensamento
Até de viúva!

Ouviu lamento
Ouviu sussurro
Do seu assento
La no escuro...

Não abro a boca
De pedra eu sou.
Que coisa louca
Meu fim chegou!

Urrou prá lua
Pediu ao Bispo
Na casa sua
Cheia de visco

Nem a prefeita
Deu atenção:
- É coisa feita!
Disse o leão.

Adeus Princesa
Do litoral...
Quanta pobreza
No meu final!

Guardem o retrato
Prá ver de novo
Tanto destrato:
- Adeus meu povo!

Gastão Ferreira/2009

Um comentário:

corvo disse...

agora so resta ao leao morrer com dignidade e a saida seria o suicidio.