terça-feira, 9 de dezembro de 2008

A VISITA DO EXTRATERRESTRE


A VISITA DO EXTRATERRESTRE

Pois não é que recebemos aqui na corte a visita de um extraterrestre muito simpático. Veio estabelecer relações comerciais e entre os milhares de burgos do planeta terra escolheu nossa progressiva cidade. Coisas de ETs.
No começo todos acharam que era brincadeira de algum carnavalesco frustrado. O disco voador era pequeno e cheio de luzes que piscavam alucinadamente. Um curioso, não se contendo, tocou no estranho objeto e levou um choque violentíssimo, está gago até hoje.
Quando a noticia do choque se espalhou, a população largou seus inúmeros afazeres e acorreu ao campo de futebol para observar o fenômeno. Os homens da lei chegaram e isolaram o local. As autoridades, gente como a gente, também curiosos lá estavam à espera dos finalmente.
De repente não mais do que de repente, desliza a porta do ÓVNI e um ser parecido com um pequeno macaco, tipo bugio, sai jogando espelhos e colares de plástico, dizendo em bom e claro português:- Mim XPT… Mim fazer negócios… Mim falar com chefe…
O chefe chegou. Por incrível que pareça não houve atraso. E, já zangado e cheio de razão ia reclamar da brincadeira, quando notou o belíssimo, caríssimo e reluzente colar de ouro que XPT usava, e, tornando-se macio e humilde falou: - Mim o chefe!
XPT contou sua história, ali mesmo, na frente do povo. Quando falou em vultosos negócios e que a nave estava carregada com ouro e pedras preciosas, o chefe achou melhor ter uma conversa reservada com a criatura e educadamente a convenceu a acompanhá-lo até o palácio residencial.
XPT estava extasiado, como é que uma gente tão primitiva conseguia se comunicar tão bem. No palácio o chefe apresentou-o a chefe, aos chefinhos e aos chefetes, exaltando as qualidades e qualificações de cada um. XPT falou de negócios bilionários e exigiu bons antecedentes para concretizá-los. O chefe mostrou seus diplomas de chefe que eram vários, pois entre um exílio e outro lá vinham outro diploma para reconfirmar no cargo. XPT não havia se enganado, o homem estava entre os dez melhores em um país que possuía mais de cinco mil cidades, centenas delas consideradas de primeiro mundo, o homem deveria ser um privilegiado e um gênio administrativo.
XPT era um bom comerciante e logo tratou de saber o que o progressivo local poderia oferecer em termos de troca. Deixando no ar um quê de mensalinho extra, se obtivesse algumas vantagens. O chefe falou… falou… falou e no final disse: - temos chuchu!... Chuchu? Não! Disse XPT.
Temos maracujá!... XPT: - oh... Oh... Não!
- Manjuba?… nem pensar.
O chefe se desesperava vendo fugir o negocio do milênio, e, no desespero entendeu como era pobre o seu vale. XPT, astuto comerciante, também estava desgostoso. Como um local cujo líder era um dos dez melhores em um imenso país que exportava para todo o planeta produtos industrializados, medicamentos, novelas, livros e idéias, não tinha nada criativo ou tecnológico para ofertar. E, conclui que se um dos dez melhores era assim, imaginem os outros. Voltou a sua pequena nave carregadas de tesouros e alta tecnologia e foi em busca de outro planeta.
Foi assim que perdemos a chance de sermos os primeiros exportadores galácticos. Quem sabe num futuro não muito remoto, outro XPT passe por aqui, e, tomara que então seja diferente.
Gastão Ferreira

Nenhum comentário: