terça-feira, 9 de dezembro de 2008

PROCURA


PROCURA

Ah essa angústia de espera,
Esse amargor que não tem fim
Uma esperança:- quem me dera
Estranho amor que mora em mim!

A minha vida em desatino...
Dentro de mim, chama por ti
Nem tudo é claro. Meu destino
É o mesmo porto onde te vi...

São velas claras soltas ao vento
Vai prisioneiro dessa emoção...
Por ti procura meu pensamento

Olhos perdidos na multidão...
E minha angústia solta ao relento
Chora sozinha na solidão...

GASTÃO FERREIRA/IGUAPE/SP

Nenhum comentário: