terça-feira, 9 de dezembro de 2008

O RAPTO DO PRINCIPE HERDEIRO


O RAPTO DO PRÍNCIPE HERDEIRO
Ou
MEU FILHO, MEU TESOURO

A rainha Penélope, a sílfide, estava feliz. Seu pequeno rebento, o robusto e esperto Luis Eduardo Gaspar de Mendonça Fortes de Almeida Gomes Pindaíba, apelidado pelas aias e escravos de Luí desde o dia em que o rabugento moleque escorregara em uma casca de banana e foram todos espancados. Então a rainha com toda a pompa, tentara alertá-lo aos gritos: - Luis Eduardo Gaspar de Mendonça… Ele já havia se esparramado no chão, resolveram na ausência da dupla real chamá-lo apenas de Luí. Como já disse a rainha Penélope, a simpática, estava feliz, seu menino era um gênio, e ela contara a todos na corte como resolvera presenteá-lo com um rosário. Chamaram-no e dissera: - Mamãe rainha vai dar um belo terço para seu bebe príncipe. No que o pequeno respondeu: - Não quero o belo terço, aceito uma feia metade! A rainha contava a velha piada e rolava de rir, e toda a corte caia na gargalhada, pois a rainha gorda e desajeitada, parecia um tonel rodando pelo salão, como ela não desconfiava que fosse dela que riam, vira e mexe e sempre repetia a piada.
Na paradisíaca Ilha Bananeira de Pindaíba tudo corria as mil maravilhas. O rei com seus múltiplos negócios, a rainha com suas caridades. O povo morto de fome pelos impostos malucos do monarca, o príncipe herdeiro, um chato boca suja, mas que todos mimavam e chamavam de “o tesouro do papai”, aprontando com todo mundo. Até que numa noite, um bando de piratas portugueses saqueou o palácio real e levaram duas dúzias de pombos correios e o pequeno príncipe, e deixaram uma dúzia de pombos correios.
A rainha desesperou-se. O rei quase enlouqueceu. Os escravos agradeciam a Deus a graça alcançada, mas na frente do casal real era um chororô de dar dó. Chegou à primeira carta (ou seja, o primeiro pombo correio) pedindo resgate:
- Queremos vinte milhões de escudos para libertar o pimpolho, senão vamos retalhá-lo e usá-lo como isca para tubarões famintos. Assinado: - Manuel, o pirata.
O tesoureiro real foi chamado: - Quero vinte milhões de escudos, já! Disse o rei.
- Nunca vi um escudo na vida, respondeu o tesoureiro.
- Como não temos escudos? Se vendemos bananas no mundo todo!
- Não negociamos com Portugal majestade, desde que aquela rainha louca, a tal Carlota Joaquina, falou horrores de vosso pai.
- É bem verdade! Mande um pombo correio e explique a situação.
Imediatamente o tesoureiro enviou a mensagem: - Não temos escudos! Aceitam outra moeda?
- Com qual moeda poderei contaire? Assinado pirata Manuel.
- com zelões! Assinado tesoureiro.
- Não conhecemos. Assinado pirata Manuel.
- Com cabrais! Tesoureiro real.
- Desconhecemos! Pirata Joaquim. O Manuel foi empurrado do navio pelo diabólico herdeiro real.
- Temos trigo! Esse menino é mesmo o Demo! Cuidado. Tesoureiro real.
- Não negociamos com especiarias! Pirata Joaquim. O menino esta de castigo.
- Não machuquem o menino! Alferes Marcos. O tesoureiro foi enforcado por causa do ultimo recado.
- O menino soltou os pombos. Só ficaram quatro. Ou pagam, ou ele morre! Pirata Manuel Joaquim filho. Papai foi esfaqueado pelo demoníaco herdeiro, estamos apavorados, por favoire atendam logo.
- Também estamos apavorados! A rainha fez um feitiço e usou os pombos pretos, achando que eram galinhas Garnisés. O rei executou o Alferes. Todo o cuidado é pouco.
- O menino incendiou o navio! Só tenho um pombo. Acho que ele me deu vinho envenenado… ahh! Coitado de vocês se ele sobreviver… Ahhh!…
- Mate imediatamente o menino… o rei me apunhalou… Ahhh...
- Papai!Estou naquela ilha bem comprida. O tesouro dos piratas agora faz parte do restante do butim amealhado através de gerações de herdeiros reais. Estou a salvo. Luiz Eduardo Gaspar de Mendonça...
- Papai já vai a caminho para buscá-lo, meu filho, MEU TESOURO!



GASTÃO FERREIRA/IGUAPE/2007

Nenhum comentário: