terça-feira, 9 de dezembro de 2008

MÁSCARA


MÁSCARA

Tudo vejo
Tudo sinto
Qual o que vive
Qual o que invento?

Tudo inútil
Igual canção
Muita amargura
No coração...

O riso encobre
Falso respeito
Um grito errante
Dentro do peito

E essa máscara
Já desfeita...
No meu rosto
Tão perfeita!

GASTÃO FERREIRA/IGUAPE/SP

Nenhum comentário: